quinta-feira, 6 de abril de 2017

CAS rejeita analisar caso Victor Ramos, e Inter não consegue reverter queda



Tribunal Arbitral do Esporte na Suíça (Foto: Daniel Musa)

A cruzada colorada em tentar reverter o rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro teve um desfecho negativo – ao menos até o momento. Na manhã desta quinta-feira, em Lousanne, na Suíça, a Corte Arbitral do Esporte (CAS) decidiu que não tem jurisprudência para analisar o Caso Victor Ramos e frustra a empreitada jurídica do Inter nos tribunais, ao esgotar todas as instâncias da Justiça Desportiva.
O caso foi considerado encerrado e a audiência não será realizada, conforme confirmou à rádio Gaúcha o advogado do Vitória Bichara Abideão Neto. Ainda conforme o defensor do clube baiano, o Inter já foi notificado da decisão.
O Colorado até pode recorrer na Justiça Comum, no Tribunal Federal da Suíça, última instância possível. Mas o presidente Marcelo Medeiros já afirmou em entrevista recente que o clube esgota suas investidas jurídicas ao ter ingressado no CAS. 
O julgamento, que estava marcado para a última terça-feira, foi suspenso após os árbitros selecionados para o caso entenderem que necessitavam deliberar sobre a análise do mérito. Ou seja, em um primeiro momento, não tinham certeza quanto à competência de um assunto que já tramitou na esfera brasileira, conforme alegações do Vitória. O prazo pedido para a resposta foi de 48 horas, e o tribunal divulgou nesta quinta o parecer desfavorável ao clube gaúcho.
Da comitiva colorada que viajou à Europa no início da semana, o vice jurídico Gustavo Juchem e o advogado Rogério Pastl retornaram a Porto Alegre na quarta-feira. O outro advogado, Diego do Canto, ficou no Velho Continente para aguardar o parecer, junto a outros dois profissionais europeus contratados para representar o clube.
Ao Inter, ainda cabe recurso relativo à decisão desta quinta-feira. No entanto, é a tentativa derradeira para o departamento jurídico tentar salvar o clube do rebaixamento. Ao mesmo tempo, o Tribunal não costuma revisar as decisões do CAS.

Nenhum comentário: