terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Polícia Rodoviária Federal de Santiago divulga relatório final da Operação Carnaval 2017 em Jaguari

        A condutora deu resultado negativo para embriaguez. Somente para ilustração


Com 158% a mais de veículos fiscalizados e testes de alcoolemia em comparação com o ano de 2016, a PRF comemora mais ano da Operação Carnaval em que não ocorrem acidentes com vítimas fatais.

Nos últimos anos a PRF tem conseguido reduzir enormemente o número de acidentes graves na BR 287 durante o período de Carnaval, diminuindo o número de feridos e zerando o número de mortos, consequência de todo um planejamento de apoio e fiscalização denominada “Operação Carnaval” realizada todos anos, principalmente, na região de Jaguari. 

O Carnaval de Jaguari, uma das maiores festas realizadas no interior do Rio Grande do Sul, é reconhecido como um evento que reúne pessoas de diversas cidades do Estado, dentre elas, Santa Maria, Santiago, São Luiz Gonzaga e São Borja. Ao mesmo tempo, que é uma festividade que serve para as pessoas se descontraírem e extrapolarem suas emoções, causa certa preocupação quanto à segurança e, por conseguinte, o bem-estar de todos que ali se reúnem. E com a instituição PRF isto não é diferente. Todos os anos planeja-se uma operação complexa para a ocasião, que envolve agentes de diversos municípios, equipamentos extras e muitas horas de atenção redobrada para garantir a segurança de todos aqueles que participam do Carnaval. 

Este ano, apesar de um acidente grave que deixou 5 feridos, causado pela imprudência de quem tenta burlar a fiscalização e coloca sua vida e de outros em risco, a operação acabou de forma positiva para a PRF, já que não ocorreu nenhuma morte no trânsito. Durante as 4 noites do carnaval de Jaguari deste ano foram fiscalizados 2813 veículos, enquanto que em 2016 foram abordados e fiscalizados 1091. Aplicou-se 1983 testes de alcoolemia em condutores contra os 768 de 2016, um acréscimo de 158%. Das 154 autuações de trânsito, 48 foram aplicadas a condutores por dirigirem sob influência de álcool, 4 a mais que em 2016. Ainda foram recolhidas 47 carteiras de habilitação e 25 documentos veiculares, sendo 8 veículos removidos ao depósito do DETRAN por irregularidades não sanadas no local ou por crimes de trânsito. Por crimes cometidos, 9 pessoas foram presas pelos agentes durante as 4 noites, sendo três por embriaguez ao volante por estarem com nível de álcool acima de 0,33 mg por litro de ar expelido dos pulmões medido no etilômetro, quatro por estarem com sua carteira de habilitação suspensa ou cassada, uma por corrupção ativa e uma por porte ilegal de arma de fogo e posse de entorpecentes.

Apesar dos números serem positivos e demonstrarem que o esforço coletivo da instituição favorece para que tenhamos menos ocorrências de crimes e acidentes de trânsito, a PRF admite que, mesmo com todo o planejamento existente e todos os recursos aplicados em uma operação como esta de Jaguari, se não houver a conscientização de todos das responsabilidades que temos perante nós mesmos e a sociedade e, também, das consequências que poderão surgir quando não seguimos determinadas regras, continuaremos tendo um trânsito inseguro e perigoso para todos. Como o foco principal deste tipo de operação é reduzir o números de condutores dirigindo alcoolizados, a PRF lembra que a punição para quem for flagrado sob influência de álcool é de 7 pontos na carteira de habilitação, multa de R$ 2.934,70, um processo administrativo que poderá suspender a sua habilitação pelo período de até 12 meses, além do crime de trânsito que pode resultar na detenção de 6 meses a 3 anos.

Nenhum comentário: